Você se lembra do colapso de Rogers? Eles adicionaram 221.000 novos clientes de telefone desde então

Apesar de uma interrupção de rede incapacitante que durou vários dias e fez muitos canadenses jurarem que nunca mais confiariam na empresa, Rogers conseguiu adicionar 221.000 novos clientes de telefonia móvel desde então. .

A gigante das telecomunicações divulgou na quarta-feira seus resultados financeiros para o período de três meses até o final de setembro. Eles mostraram que a receita total de serviços de internet, cabo, telefone e celular do conglomerado foi de US$ 3,2 bilhões, o suficiente para um lucro de US$ 371 milhões.

Ambos os números foram menores do que as expectativas dos analistas, mas teriam sido maiores se não fosse o impacto financeiro e de reputação que a empresa sofreu após uma grande interrupção de rede neste verão.

Sexta-feira, 8 de julhouma atualização de software de manhã cedo na rede IP principal de Rogers deu errado, fazendo com que toda a rede interna da empresa ficasse sobrecarregada e fosse desligada, removendo todos os serviços de internet sem fio e com fio da empresa.

Devido ao papel abrangente da empresa no sistema de infraestrutura de TI do Canadá, os clientes da Rogers não foram os únicos afetados. Os sistemas de pagamento, serviços governamentais e até mesmo o acesso ao 911 ficaram indisponíveis em todo o país durante a maior parte do dia, com muitos clientes ainda enfrentando problemas durante o fim de semana.

ASSISTA | Os canadenses reagem à interrupção maciça de Rogers:

Grande interrupção de Rogers atinge empresas e clientes em todo o Canadá

Os clientes da Rogers foram pegos de surpresa pela interrupção massiva de sexta-feira envolvendo redes móveis e internet, que também causou interrupções generalizadas em bancos, empresas e alguns serviços de emergência em todo o Canadá.

A empresa diz que aprendeu com o incidente e corrigiu os erros que o causaram, e o CEO Tony Staffieri promete fazer melhor.

“No wireless, Rogers continua forte”, disse ele a analistas na quarta-feira em uma teleconferência para discutir os resultados financeiros da empresa. “Embora muito decepcionado com a interrupção, o impacto foi isolado.”

O incidente parece não ter tido impacto de longo prazo nos negócios sem fio da vaca leiteira, mas o lado com fio do negócio está se sentindo um pouco pressionado.

“Foi um pouco mais pronunciado para cabo do que sem fio, em termos de impacto”, disse o diretor financeiro Glenn Brandt. “Nosso concorrente doméstico foi oportunista com a interrupção no início do trimestre [but] fomos medidos em nossa resposta”, disse ele. “Estamos focados em reter clientes e competir por eles.

No final de setembro, Rogers tinha cerca de 6.000 clientes de Internet doméstica a mais e 7.000 assinantes de TV a cabo a mais do que um ano atrás. Mas perdeu 4.000 clientes de segurança doméstica e 18.000 contas de telefone fixo desde então.

A empresa concedeu descontos

Staffieri observou que a empresa distribuiu US$ 150 milhões em descontos durante o trimestre, acrescentando que, sem isso, a receita sem fio da empresa teria aumentado 9% em relação ao ano anterior.

Dos 221.000 novos clientes móveis líquidos, 164.000 eram pós-pagos. Os demais eram pré-pagos, que geralmente são planos de baixo custo com pouco ou nenhum dado.

No geral, Rogers adicionou 448.000 novos clientes sem fio até agora este ano, um aumento de 137% em relação ao ano passado. “Rogers está obtendo ganhos significativos de participação de mercado em um mercado sem fio crescente e competitivo”, disse ele.

Um desconto que equivale a cerca de cinco dias de serviço na conta média pode não parecer muito, dadas as desvantagens da empresa segunda grande interrupção de serviço em tantos anos. Mas isso foi aparentemente o suficiente para manter uma boa parte dos clientes da empresa com eles – e até adicionar novos, pelo menos no lado sem fio.

Nos dias que se seguiram, muitos canadenses disseram que deixariam a empresa e se voltariam para um rival, mas os números de quarta-feira mostram que muito poucos agiram em relação a essa ameaça.

Gary Lyon mora em um prédio de apartamentos em Toronto, onde foi informado de que outras empresas não estavam conectadas o suficiente para fornecer o tipo de serviço de internet que ele precisava. (Gary Lyons)

Gary Lyon de Toronto foi um deles. Tem cabo, Internet e serviço sem fio com Rogers, pagando cerca de US$ 180 por mês pelos três. No dia da interrupção, ele disse que ficou mais desanimado com a falta de comunicação da empresa.

“Se você tiver uma grande interrupção, a primeira coisa é reconhecer que sim, você está tendo problemas”, disse ele em entrevista esta semana. “Não temos um cronograma específico de quando isso será corrigido, mas estamos trabalhando nisso. “Até três frases de alguém que assume a responsabilidade.”

Poucas alternativas

Como muitos canadenses, o próprio Rogers ficou incomunicável em grande parte em 8 de julho porque seus serviços internos de telecomunicações estavam offline, mas para Lyon isso não é desculpa. Ele era um dos muitos para quem o colapso parecia a gota d’água. Mas quando procurou alternativas, descobriu que não tinha alternativas melhores.

“Eu queria seriamente despejar Rogers e estava procurando opções”, disse ele, mas ele mora em um prédio em Toronto, onde outros fornecedores dizem que estão de mãos atadas. “A única maneira lógica de eu sair de Rogers seria internet de fibra, e não podemos obter fibra. De acordo com Bell, eles não podem conectar nosso prédio.”

Lyon poderia obter um plano de telefone celular de outra empresa, mas ele diz que os preços não lhe permitirão realizar nenhuma economia real.

É uma história semelhante de Carol Kozopas, que vive na região rural das Montanhas Azuis, ao norte de Toronto. Como muitos, ela tem vários serviços com Rogers, incluindo dois telefones celulares, cabo e internet doméstica. Ela ficou surpresa e desapontada porque até seu telefone pessoal foi desconectado naquele dia.

“Tudo acabou e você pode ter certeza de que não vai continuar assim”, disse Kozopas à CBC News na época. “Devido aos contratos de telefonia celular, não podemos alterá-los, mas o telefone residencial e o modem podem ser alterados.”

Quando contatada esta semana, Kozopas disse que conseguiu reduzir a conta de Rogers de sua família de cerca de US$ 100 por mês para menos de US$ 500, mas ela ainda é uma cliente.

“Eu não saí de Rogers por causa do trabalho que deu para fazer mudanças”, disse ela.

Outro cliente de Rogers, Ted Engels, diz que, embora fosse “completa e totalmente irresponsável” para uma empresa tão grande quanto Rogers centralizar todo o seu sistema como fez, ele não tinha a intenção de cortar seu serviço precisamente porque usa como um sistema de backup caso sua outra rede falhe.

Ele mora na ilha de Toronto e administra um negócio em sua casa que requer conectividade 24 horas por dia, 7 dias por semana.

“Temos os dois prestadores de serviços caso um deles caia. Podemos conectar os sistemas da clínica a qualquer um de nossos telefones”, disse ele à CBC News durante a entrevista.

“Os dois não caem ao mesmo tempo.”

É por isso que ele diz que não tem planos de deixar a empresa por completo, mas isso não significa que ele seja um cliente satisfeito.

“Não haveria outro lugar para ir”, disse ele. “É só uma brincadeira.”